Sou Agro > Mundo Agro > Cultura & Variedades > MacIntosh, a maçã de Steve Jobs
6 de outubro de 2011
MacIntosh, a maçã de Steve Jobs

Empresa que revolucionou a tecnologia carrega o nome de uma variedade secular da fruta

Júnior Milério

A maçã ilustra histórias famosas no mundo inteiro. Na Bíblia, Adão e Eva teriam sido expulsos do Paraíso depois de comerem “o fruto proibido”. Já no século XVII, uma lenda narra que o físico Isaac Newton teria sentado à sombra de uma macieira e, com a queda de uma maçã, descobriu a Lei da Gravidade.

Gilmar Nachtigall, pesquisador da unidade de fruticultura temperada da Embrapa Uva e Vinho, diz que “as espécies de maçã no mundo são inúmeras. Impossível definir”. Há 200 anos, foi conhecida a McIntosh. A variedade homenageia quem a descobriu, John McIntosh. E, segundo a USApple, a fruta é “suculenta e ácida, com polpa branca e consistente”.

Nos Estados Unidos, ela é normalmente encontrada de setembro a maio. “Para fins comerciais, esta espécie nunca foi produzida no Brasil”, afirma Nachtigall. Pela sua idade, esta variedade deu origem a outras espécies, como as dos grupos Gala e Fuji, “as mais comuns no Brasil e no mundo”, ressalta.

No entanto, em 1984, McIntosh passou a ter outro significado também. A empresa norte-americana Apple [maçã] lançou o computador pessoal MacIntosh (adicionando a letra “a” ao nome), popularmente chamado de Mac.

“O intuito da empresa era representar contravenção”, diz Marcos Bedendo, professor de gestão de marcas da Escola Superior de Propaganda e Marketing, de São Paulo, [ESPM].
Bedendo destaca que “a referência da Apple é a história de Adão e Eva. A busca pelo novo, pelo conhecimento, com a maçã representando transgressão e inovação da empresa naquela década”.

Segundo ele, “quebrar paradigmas era a intenção da Apple que, desde então, lançou produtos que representam criatividade, referência de tecnologia”.

Flávio Meyer

Maçã da espécie McIntosh dá nome ao computador pessoal da empresa de tecnologia Apple

Maça tecnológica

No quesito tecnologia, maçã e Apple se assemelham, e muito. Anualmente, o Brasil produz cerca de um milhão de toneladas da fruta, que é “a segunda mais consumida no País, perdendo apenas para a banana”, conta Pierre Nicolas Pérès, diretor da Associação Brasileira de Produtores de Maçã, [ABPM].

“Para o cultivo da maçã, é preciso, obviamente, investimento, e muito conhecimento técnico”, explica Pérès, acrescentando que “para plantar um hectare, são necessários entre R$ 26 e R$ 30 mil. De acordo com o dirigente, a manutenção de um hectare exige mais R$ 16 mil ao ano. “E o risco é grande, uma única praga pode destruir a plantação.”

Nachtigall pontua que tecnologia é fundamental para o cultivo de maçã. “Pelo menos metade da área plantada no Brasil conta com softwares que, por exemplo, enviam direto no celular do produtor informações sobre o clima.” Além disso, diz ele, existem sensores que identificam a qualidade da fruta no processo de produção.

A descoberta de uma nova variedade de maçã exige muito mais tempo do que o desenvolvimento de um novo produto da Apple. “Para lançar uma ‘nova maçã’, são necessários, pelo menos, 10 anos”, explica Nachtigall.

De acordo com o pesquisador da Embrapa, os cruzamentos de espécies têm, basicamente, três intuitos: um produto mais resistente a doenças, que mantenha a qualidade do sabor e que ofereça um atrativo visual. “As maçãs mais coloridas vêm se destacando na preferência dos consumidores.”

Diante do empreendedorismo de Jobs, falecido nesta quarta-feira [5], a busca pela inovação por parte dos produtores pode ser comparada à criatividade da empresa que revolucionou o mundo da tecnologia.

6 comentários para MacIntosh, a maçã de Steve Jobs

  1. José Armando Nogueira disse:

    Outra versão.

    Sou agro. Com um pé na roça e outro no marketing, onde trabalho há mais de 40 anos. Isso, evidentemente, não me credencia a dono da verdade. Aliás, “dono da verdade” é coisa que abomino! Mas nessa jornada de trabalho aprendi outra versão para a origem da marca da Apple. Esse assunto deve ficar em pauta por muito tempo, creio. Talvez até que chegue a Biografia “oficial” de Steve Jobs. Voltando à versão que aprendi, a maçã mordida é (ou seria) uma homenagem a Alan Mathison Turing, matemático britânico, criptoanalista e, graças aos seus estudos, foi pioneiro na Ciência da Computação. Sua história é trágico-brilhante. Era homossexual e, na 2ª Guerra Mundial, trabalhou e desenvolveu técnicas, dentre outras, aquelas que tornaram possível identificar e barrar os códigos de comunicação das belonaves alemãs. Enfim, foi um gênio e um herói de guerra. Mas após o término do conflito, em 1952, foi vitima de um processo que o levou à condenação, pois o homossexualismo era combatido dessa forma na Grã-Bretanha. Aceitou a castração química como pena alternativa à prisão. E, antes de completar 42 anos, em 1954, foi encontrado morto, segundo versões por envenenamento por cianureto introduzido numa maçã. (Apesar de sua mãe e outros britânicos negarem essa versão). Consta que foi encontrada uma maçã mordida junto ao seu corpo. Daí teria nascido a idéia de homenagear um dos pioneiros mais geniais da computação, com esse símbolo. Em setembro de 2009, após uma campanha pela internet (muito provavelmente realizada em grande parte por equipamentos criados pela Apple) o primeiro-ministro britânico, à época, Gordon Brown pediu desculpas aos britânicos e ao mundo pelo tratamento dado a Alan Turing após a guerra.

  2. cicero da silva disse:

    um dos genios da tecnologia ,da aplee Deus o levou descanse em paz.

  3. cicero da silva disse:

    o mundo ficara eternamente grato a macintosh ,o genio da tecnologia moderna.

  4. Natália SA disse:

    Olá José Armando. É verdade, como toda boa história, há mais de uma versão. Ainda bem que estamos neste ambiente para troca de informações. Poderia se tratar de histórias complementares?

  5. Márcio Bracioli disse:

    Esse cara da Espm está por fora. Na própria biografia do Steve Jobs diz que Apple foi escolhido como nome justamente por se tratar de algo simples, mas expressivo. Marca, aliás, que ele sempre tentou colocar nos aparelhos, design e até embalagens da empresa.

  6. ted disse:

    desculpem, mas a reportagem nao é sobre o nome apple e sim sobre o nome macintosh…
    É como a Apple escolheu o nome de uma variedade de maças para colocar em um de seus produtos. Interpretação de texto básica gente!
    Macintosh não é sinônimo de Apple e sim um computador da Apple!

Deixe uma resposta